9 medidas que tornam a casa mais segura para as crianças

Em casa, a segurança de seu filho vem em primeiro lugar. De olho nisso, fizemos um levantamento das áreas onde mora o perigo e de como escapar delas. Confira

ThinkstockPhotos-82172836

 (/)

Qual o berço mais adequado para o bebê? É preciso colocar grades nas janelas e varandas? Para ajudar você a fazer a escolha certa, elaboramos um guia da criança seguro. As dicas começam com a adequação do espaço em que seu filho vive. Afinal, segundo a pediatra Renata Waksman, do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade Brasileira de Pediatria, a maioria dos acidentes com bebês de até 2 anos envolve situações do cotidiano doméstico. É para minimizar essa estatística que elencamos um arsenal de boas medidas preventivas.

1. Móveis

Providencie cantoneiras arredondadas. Bibelôs, peças de vidro e ferro devem ser evitados na decoração. A coordenadora nacional da ONG Criança Segura, Alessandra Françoia, também recomenda retirar mesas centrais da casa. “O ambiente deve ficar o mais livre possível, com poucos obstáculos, para que a criança não esbarre em quinas e se machuque.”

2. Tomadas

Protetores para o dispositivo evitam que as crianças insiram objetos, ou o próprio dedinho, nas tomadas da rede elétrica.

3. Cozinha

O pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital São Luiz, em São Paulo, é taxativo: “Ali não é lugar para criança”. Há fogão, objetos pontiagudos e cortantes. E grãos (feijão, arroz, milho), que os pequenos adoram colocar na boca, nos ouvidos e no nariz. “Limite o acesso instalando um portão na entrada da cozinha”, sugere o médico. Existem modelos portáteis que se fixam nos batentes.

4. Área de serviço

Baldes e bacias com água ou roupas de molho guardam um risco potencial. “O bebê pode tombar dentro desses recipientes e não conseguir desvirar porque sua cabeça é mais pesada do que o corpo”, explica Marcelo. Produtos de limpeza devem ficar no alto ou em armários com chaves ou travas.

5. Banheiro

Guarde medicamentos e lâminas de barbear no alto, longe da curiosidade infantil. Além disso, as crianças gostam de brincar com a água do vaso sanitário, um risco de contaminação ou afogamento. Mantenha a porta do banheiro, portanto, fechada. Se você tem banheira, não deixe o bebê sozinho sequer por um minuto ali. E, antes de mergulhar o pequeno na água, verifique a temperatura dela para não causar queimaduras. “Se o seu cotovelo aguentar tranquilamente, a água está ótima”, ensina Renata Waksman.

6. Janelas

É preciso colocar grades metálicas ou redes (lembre-se que as redes necessitam de manutenção a cada dois anos). E, mesmo assim, não deixe móveis encostados debaixo das janelas. Isso evita que o pequeno as alcance. Quando você for a um local que não tenha grades ou redes, esteja alerta, pois a criança pode se colocar em situação de risco.

7. Piscina

Para Renata Waksman, a principal medida preventiva é cercar a área com grade alta e manter um portão trancado com chave. “Cobertura de lona e alarme são complementos, mas podem dar a falsa impressão de segurança e fazer com que os adultos relaxem no cuidado. A constante supervisão de um adulto quando a criança está na água ou próxima da piscina é fundamental”, afirma a médica.

8. Brinquedos

Uma dica: “Se o objeto passa pelo rolo do papel higiênico, está proibido para menores de 3 anos”, afirma o especialista Marcelo Reibscheid. Celulares, chaveiros e controle remoto com bateria, apesar de grandes, também devem ser mantidos a distância, já que são facilmente desmontados pelas crianças. Bichos de pelúcia podem suscitar alergias respiratórias, então, o melhor é buscar alternativas de pano ou borracha, que podem ser lavados e não juntam pó.

9. Berço

Dê preferência aos modelos com o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Embora não seja obrigatória, a certificação garante que o fabricante segue padrões – como a distância segura entre as grades (que não deve ser superior a 6,5 cm para evitar que a criança se enrosque nelas). Os pediatras Renata Waksman e Marcelo Reibscheid recomendam ainda alguns detalhes na hora de comprar esse móvel infantil:

• Atenção à estabilidade. Se tiver rodinhas, é obrigatório um sistema de travamento.• Evite berços com bordas cortantes e pontiagudas, e certifique-se de que não há partes pequenas que o bebê possa engolir.• O mecanismo de rebaixamento das grades deve ter travas que a criança não consiga deslocar.• O estrado deve ter altura regulável. A distância mínima entre o topo da grade lateral (ajustada na posição mais baixa) e a superfície do estrado (regulada na posição mais alta) não pode passar de 22,8 cm.• Com relação ao colchão, opte por um plano, duro, não deformável e perfeitamente ajustado ao berço. A fresta máxima permitida entre colchão e estrado é a grossura de um dedo de um adulto.• Até os 6 meses da criança, é importante manter os protetores laterais para evitar que ela coloque os braços e as pernas entre os vãos.• Após os 6 meses, quando ela já fica de pé no berço, além de rebaixar o estrado, é necessário retirar o protetor lateral – que vira trampolim para o pequeno.• Também é importante manter o móvel longe de tomadas, fios elétricos, puxadores de cortinas e janelas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s