Bunker da década de 1940 é transformado em galeria de arte

O edifício fica em Berlim, um dos locais mais excitantes em relação à arte contemporânea

 (Noshe/Sammlung Boros)

Berlim possui muitas opções no que se refere à arte contemporânea. Mas o prédio da galeria Sammlung Boros se destaca por sua história. O edifício foi utilizado como um bunker para abrigo de civis na década de 1940, depois, transformou-se em um armazém de frutas tropicais, ficando conhecido entre os habitantes locais como “Banana Bunker”. Após a reunificação alemã, abriu as portas para receber festas de música eletrônica.

Avery Singer

Avery Singer (Noshe/Sammlung Boros)

Mas, no início dos anos 2000 foi adquirido pelo casal de colecionadores Christian e Karen Boros. Eles pediram ao arquiteto Jens Casper, do escritório Casper Mueller Kneer Architects, que transformasse o prédio de 3 mil metros quadrados em uma galeria de arte e que também construísse na cobertura, um refúgio para o casal e sua família (não há fotos do espaço).

Para criar áreas de exposição adequadas, alguns tetos e paredes foram demolidos para unir ambientes tanto horizontal quanto verticalmente. Em alguns dos espaços, a altura existente do teto de 2,3 metros foi mantida, enquanto outros agora têm pé direito triplo, com 7,5 metros.

Katja Novitskova

Katja Novitskova (Noshe/Sammlung Boros)

Além dos tradicionais espaços denominados “cubos brancos”, os arquitetos pensaram na interação estrutural e espacial entre arte e arquitetura. A arte pode ser vista de diferentes pisos e ângulos. Diversas superfícies nas paredes, tetos e pisos e vestígios da história do edifício permanecem visíveis.

A galeria Coleção Boros é uma coleção privada de arte contemporânea. Inclui grupos de obras de artistas internacionais de 1990 até o presente. Entre 2008 e 2012, o casal fez a primeira apresentação das obras da coleção e contou com 120 mil visitantes e mais de 7.500 visitas guiadas. Depois, entre 2012 e 2016, a segunda apresentação teve 200 mil visitantes e mais de 9 mil visitas guiadas. Atualmente o espaço recebe a terceira exposição e conta com os seguintes nomes: Martin Boyce, Andreas Eriksson, Guan Xiao, Ele Xiangyu, Uwe Henneken, Yngve Holen, Sergej Jensen, Josefsohn, Friedrich Kunath, Michel Majerus, Fabian Marti, Kris Martin, Justin Matherly, Paulo Nazareth, Peter Piller, Katja Novitskova, Pamela Rosenkranz, Avery Cantor, John Wohnseifer. As visitas guiadas duram 90 minutos, custam 12 euros e podem ser reservadas pelo site da galeria.

Ele Xiangyu

Ele Xiangyu (Noshe/Sammlung Boros)

 

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s