Água, comida e aromas: pensar nesses temas também muda o mundo

Até o que levamos ao prato importa para transformar a sociedade, dizem os palestrantes do evento What Design Can Do!, em São Paulo

“Todo mundo dá a mesma resposta sobre o que é comer mal. Mas há inúmeras versões diferentes para o que cada pessoa considera comer bem”, disse o chef Alex Atala ao auditório lotado da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). Palestrante desta segunda no fórum What Design Can Do!, ele sentenciou: “Para mim, comer bem é consumir alimentos nos quais eu acredito.” Criador do Instituto Atá, que valoriza pequenos produtores e a culinária sustentável, o chef brasileiro mais badalado da atualidade falou do poder da gastronomia como agente transformador da sociedade. “Proteger a natureza não é apenas conservar mares, rios e florestas mas também proteger o homem, que vive dela”, afirmou. E se você não entendeu o que um cozinheiro estava fazendo num evento de design, precisa conhecer o idealizador da conferência, o designer gráfico holandês Richard Van Der Laken.

Alex_Atala

 (/)

“Eu sentia falta de discutir o tema de maneira abrangente, promover a troca de ideias. Não estamos aqui para debater o design e a arquitetura, mas para falar de atitude”, declarou. Pela primeira vez em cinco anos de existência, o evento tem lugar fora de Amsterdã, na Holanda. “São Paulo enfrenta questões sociais que precisam ser discutidas. Para mim, fazia mais sentido cruzar o oceano e replicar o WDCD aqui, e não em Berlim ou Paris”, pontuou Richard, que enxerga o design como um assunto multidisciplinar e capaz de colaborar intensamente para a qualidade de vida das cidades e das pessoas, em todos os segmentos, e abriu a conferência vestindo um bem-humorado terno amarelo.

Richard

 (/)

Outra convidada desta manhã foi a jornalista californiana radicada na Holanda Tracy Metz. Estudiosa das águas e do impacto que a falta de gerenciamento dos recursos hídricos pode ter, ela avisou: “Esta é a última geração que ainda tem o poder de mudar algo no que se refere às nossas reservas. Vamos pensar nisso”. Bem informada sobre a seca paulista, ela aponta a má distribuição como o principal problema nesse caso. “Ao mesmo tempo em que li muitas noticías sobre a falta de água, vi incontáveis carros limpíssimos rodando por bairros nobres da capital. Tampouco faltam gramados verdinhos por aqui”, espantou-se. Em sua fala, Tracy mostrou diversos exemplos de iniciativas que vêm aproximando as cidades da água. Em Amsterdã, onde ela mora, fica uma rua que antes era totalmente asfaltada para permitir a passagem e o estacionamento de carros – hoje, um belo espelho-d’água cobre parte da via, e os automóveis ficam parados em vagas subterrâneas. Há também o caso de uma ponte em Roterdã que fica parcialmente submersa em dias de chuva intensa, ou de um viaduto numa autoestrada cujo vão tornou-se espaço para a prática da canoagem. “Assim os moradores percebem o quanto o clima influencia o local onde vivem. A ideia é despertar nas pessoas a vontade de estar nesses lugares, em vez de afastá-las deles”, disse ela. Para finalizar, a jornalista mostrou propostas em escala residencial. “Use sua imaginação. O design permite tudo, e a água é mais um material de trabalho.”

Tracy_Metz

 (/)

Os holandeses Daniel Gross e Joris Maltha, do escritório Catalogtree, palestraram sobre o trabalho de visualização de dados que desenvolvem – a dupla encara com naturalidade e bom gosto a dura tarefa de transformar estatísticas em belos infográficos. “É preciso ter paciência, persistência e entender de matemática e Excel”, pontuaram. Sissel Tolaas, da Noruega, concluiu as falas da manhã mostrando seus experimentos com aromas. Valendo-se de registros olfativos, a pesquisadora se propõe a despertar a consciência dos cidadãos para problemas dos lugares que habitam. “Não mostro apenas os perfumes agradáveis, e sim, cheiros relativos a poluição, falta de saneamento e outras questões”, avisa.

Catalog_Tree

 (/)

Sissel Tolaas

 (/)

 

O What Design Can Do! continua amanhã, com palestras da produtora cultural Bebel Abreu, do jornalista Rick Poynor e do designer Stefan Sagmeister, entre outros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s