Suítes para casais que dormem separados viram tendência nos EUA

Pesquisa feita pelo The Wall Street Journal revela aumento da procura de casas com mais de uma suíte principal

Um detalhe bastante peculiar está chamando a atenção do mercado imobiliário americano: casas de luxo com suítes master separadas estão caindo no gosto dos casais de Nova York.

LEIA MAIS: 10 quartos de casal que apostam em cores fortes

 (Reprodução/The Wall Street Journal)

A ideia tem agradado homens e mulheres que não possuem os mesmos hábitos noturnos de seus pares, ou que simplesmente desejam fugir do padrão. Uma pesquisa feita pelo jornal americano The Wall Street Journal revelou que uma em cada três pessoas que procuram por casas acima de US$ 2 milhões preferem residências com duas suítes master, que atingem um valor até 9% mais caro do que os imóveis com apenas uma.

LEIA MAIS: 10 quartos de casal com tons neutros

 (Reprodução/The Wall Street Journal)

Casados há 24 anos, Stephanie Stern, 75, e Jerry Stern, 77,  são um desses casais que acreditam ter encontrado a chave para um casamento feliz em dois quartos. “Eu parei de me preocupar com o que as pessoas iam pensar. É muito bom. Não tenho mais a pressão de quando estou lendo à noite dele dizer ‘Apague a luz'”, afirmou Stephanie, que dorme separada do marido há quase um ano. “E quando ele vagueia no meio da noite, eu não acordo”, comemora.

 (Reprodução/The Wall Street Journal)

LEIA MAIS: Neste banheiro de casal, tudo vem em dupla

A tendência, no entanto, não é tão nova assim. De acordo com uma pesquisa elaborada em 2015 pela National Sleep Foundation, cerca de um em cada quatro casais têm o costume de dormir em quartos ou camas separadas. A ideia de separar o casal em dois quartos tem atraído mais os casais que já superaram a fase da lua de mel e os mais velhos, que não abrem mão do conforto pessoal. 

 (Reprodução/The Wall Street Journal)

“Quartos separados são um reflexo de uma população mais velha e com mais renda disponível. Eles valorizam mais o seu sono e estão prontos para investir nele”, defende o especialista em sono do Centro de Medicina do Sono de Stanford ao jornal.

 (Divulgação/Revista CASA CLAUDIA)

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.