Dois museus em homenagem a Yves Saint Laurent

Espaços em Marrakesh e em Paris reverenciam obra do estilista

Pierre Bergé e Yves Saint Laurent.

Pierre Bergé e Yves Saint Laurent. (DR./Divulgação)

Pierre Bergé, companheiro de Yves Saint Laurent falecido recentemente, não viveu para ver a abertura de dois novos museus que reverenciam a obra do estilista. Um em Marrakesh e outro em Paris, ambos devem abrir suas portas outubro. Dedicada ao estilista e à sua obra, a casa do Marrocos vai reunir 5 mil roupas e 15 mil acessórios, além de documentos, objetos e desenhos que estavam até agora em Paris e faziam parte do acervo da Fundação Pierre Bergé. Já o segundo será instalado na antiga Maison do designer, onde hoje fica a sede da Fundação, na avenida Marceau.

O escritório de arquitetura KO, de Olivier Marty e Karl Fournier, ficou encarregado do projeto, instalado próximo ao famoso Jardim Majorelle, criado nos anos 1930 com plantas raras pelo pintor francês que dá nome ao espaço. Esse jardim deixou o casal encantado na década de 1960. Tanto que vinte anos depois, eles acabaram comprando o lugar para preservá-lo. Ainda hoje, ele é aberto ao público e mantido pela fundação. Hoje, o ateliê do pintor funciona como o museu berbere.

Desfile alta-costura Yves Saint Laurent primavera-verão de 1989.

Desfile alta-costura Yves Saint Laurent primavera-verão de 1989. (Guy Marineau/Divulgação)

Já o museu YSL tem uma impressionante fachada de 4 mil m2 toda construída em tijolos à vista e reúne de auditório a espaço de exposições, além de biblioteca, café, restaurante, loja e terraço. A inspiração veio dos próprios arquivos do estilista. A dualidade entre linhas curvas e retas e recortes do trabalho de YSL orientou toda a concepção do novo prédio. De fora, ele lembra uma sucessão de cubos, nos quais os tijolos dão uma textura rendada. Já dentro, o visual é outro: limpo, liso e iluminado. Erguido com terra, granito, cimento e pedras marroquinas, o edifício se insere perfeitamente na paisagem da cidade.

Exposição permanente no museu Yves Saint Laurent em Marrakech.

Exposição permanente no museu Yves Saint Laurent em Marrakech. (Christophe Martin Architectes/Divulgação)

A alta tecnologia também teve papel importante. Um projeto à parte foi feito só com o objetivo de manter impecável a conservação de todo esse acervo. Em seu último depoimento sobre o museu, Bergé afirmou: “Yves e eu descobrimos Marrakesh em 1966 e nunca mais a abandonamos. Esta cidade teve uma influência tremenda sobre Saint Laurent e sobre sua obra, permitindo, inclusive, que ele descobrisse as cores”. A seguir, conheça o museu.

Veja também
Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.