Baú, o móvel do viajante

Conheça a história dessa peça tão presente no passado do Brasil

baú Arnaldo Danemberg Baú do acervo pessoal de Arnaldo Danemberg, com pintura interna

Baú do acervo pessoal de Arnaldo Danemberg, com pintura interna (Divulgação/Arnaldo Danemberg Antiquário)

Especiarias, mantimentos, tecidos, roupas, objetos de uso pessoal. No passado, os baús carregavam todo tipo de mercadoria dos viajantes, nas mais diferentes rotas. Para mim, ele é um símbolo da chegada do homem europeu à terra brasilis. Muito antes de mesas, tamboretes e camas desembarcarem por aqui, eram os baús os primeiros “móveis” a chegarem com os estrangeiros. A variedade de modelos era imensa. Havia caixas, canastras, cofres, burras (para guardar valores), uchas (para alimentos) e caixões. O que varia é a forma e o uso específico.

baús Arnaldo Danemberg Baús do Antiquário Arnaldo Danemberg

Baús do Antiquário Arnaldo Danemberg (Divulgação/Arnaldo Danemberg Antiquário)

Baús do Antiquário Arnaldo DanembergEnquanto o baú tem o tampo abaulado, a caixa possui linhas retas. Com o tempo, mesmo os modelos com tampo reto passaram a ser chamados de baús. Muitos traziam monogramas ou brasões, para deixar claro a quem pertenciam. E contavam com o interior decorado: pinturas, papel aplicado, marchetarias. Os baús que guardavam enxoval dos noivos, por exemplo, tinham desenhos singelos, guirlandas e pombos entrelaçados, expressando romantismo e afeição. Em casa ou no local de destino, depois de uma viagem, eles eram colocados sobre pedestais, para evitar o contato com a umidade do chão ou com a água da limpeza.

Baús do Antiquário Arnaldo Danemberg Baús do Antiquário Arnaldo Danemberg

Baús do Antiquário Arnaldo Danemberg (Divulgação/Arnaldo Danemberg Antiquário)

Existem ainda os chamados baús de ofício, usados para guardar ferramentas. Quando são de marceneiros, chamam a atenção pela qualidade e o cuidado com que foram feitos, expressando todo o orgulho desses profissionais por um trabalho tão artesanal. Eles capricham mesmo! Outra curiosidade: por guardar muitas riquezas, esse móvel popular originou a conhecida expressão “golpe do baú”, em referência aos espertalhões de plantão pela vida afora.

Arnaldo Danemberg Baús e cadeiras encontrados durante garimpo em viagem à Europa

Baús e cadeiras encontrados durante garimpo em viagem à Europa (Divulgação/Arnaldo Danemberg Antiquário)

Eu, particularmente, gosto muito dos baús europeus confeccionados em cânfora, madeira chinesa perfumada, que ajuda a conservar as roupas em bom estado. Em casa, tenho alguns espalhados pelos cômodos, onde guardamos as roupas de inverno. Além de poupar os armários, dão charme extra aos ambientes.

Durante o Grand Tour, viagem que faz parte da minha rotina como antiquário, em que garimpo móveis e artigos de decoração pela Europa, não me canso de buscá-los. Adquiro quantos puder. Restaurá-los é um deleite; trazê-los a público, uma alegria.

Veja também

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.