Aceita um café?

Sempre bem-vindo depois das refeições, o cafezinho tem lá seus segredos para ser preparado no capricho. Veja as dicas de um especialista

Amanhã (14 de abril) é o Dia Mundial do Café, o que me fez pensar que esse é um excelente motivo para fazer um post sobre a bebida. Sim, porque até quem não curte café pre-ci-sa oferecer um expresso ou algo do gênero para seus convidados após a refeição. Tá? Muita gente (sou dessas) acha que um bom almoço ou jantar só chega ao fim mesmo depois do cafezinho.

Conversei com o Hugo Wolff, que é mestre de torra e prova de cafés especiais, e perguntei a ele qual o segredo para servir em casa um cafezinho nota 10. Veja só o que ele disse:

  • Harmonização: se o almoço ou jantar foi mais pesado, gorduroso, vale apostar num café encorpado, intenso, que preencha a boca e harmonize com a experiência anterior. Já pratos leves e ácidos combinam com grãos de notas cítricas ou frutadas.
  • Mas e o método? “Se houver no grupo pessoas que não gostam de expresso, pode-se fazer uma infusão com a clever [um tipo de filtro encontrado em boas casas que vendem café e acessórios], por exemplo. Quem não tem a clever pode preparar um coado, porém recomendo mais concentrado, numa diluição de 10 gramas de café para 100 gramas de água”, sugere o especialista.
  • O ideal é servir todos os convidados ao mesmo tempo: deixe tudo o que for usar à mão e comece a extração. Se for muita gente, faça duas extrações. “A temperatura do café não vai cair tanto na xícara, dá para manter esses cafés esperando enquanto os demais são preparados”, fala Hugo.
  • E esquentar a xícara, precisa mesmo? Sem dúvida, avisa o expert. “Nem tanto para não esfriar o café, isso é consequência. Se a xícara estiver fria e o café quente, haverá um choque térmico e a bebida perde atributos como sabor e acidez.”
  • Servir sozinho ou com a sobremesa? “Depende de que sobremesa estou servindo e que tipo de café eu tenho”, aponta Hugo. Doces como pudim ou alfajor, bem açucarados, vão bem com grãos de sabor encorpado. Mas, se o café for mais levinho, melhor tomar antes do doce, para o açúcar não atropelar – esses grãos de pegada cítrica/frutada podem ser servidos junto com frutas ou sobremesas ácidas. “Tudo é uma questão de harmonização, por similaridade ou contraste. Pense na experiência sensorial como um todo, no que você quer que a pessoa leve”, completa ele.
  • Sabe aquele copinho d’água com gás servido junto em muitas cafeterias? Esqueça! Se o café for bom, ele é desnecessário, pois altera o pH da língua e atrapalha a experiência. “Esse é um costume antigo, de uma época em que os cafés eram tão ruins que era melhor lavar a boca depois de bebê-los”, conta o especialista.

    Cafés de sabor mais encorpado são parceiros ideais para sobremesas bem doces. Já os grãos mais leves, cítricos e frutados, casam melhor com sobremesas ácidas

    Cafés de sabor mais encorpado são parceiros ideais para sobremesas bem doces. Já os grãos mais leves, cítricos e frutados, casam melhor com sobremesas ácidas (Wolff Café/Divulgação)

 

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s