Arquitetos reutilizam espaço e criam puxadinho em casa paulistana

Trio de arquitetos do escritório Vaga assina projeto versátil e inteligente para dois amigos moradores da Vila Madalena, em São Paulo

Dois amigos moradores da Vila Madalena, em São Paulo, encontraram a solução perfeita para receber amigos e jovens intercambistas de todo o mundo com mais conforto e hospitalidade. Eles construíram um “puxadinho” nos fundos do apartamento térreo onde moram e o resultado ficou impressionante.

LEIA MAIS: Piso com círculos de vidro resolve problema de iluminação da casa

Fernando O’leary, Pedro Domingues e Pedro Faria, do escritório Vaga, foram os arquitetos responsáveis pelo trabalho inovador em um dos bairros mais tradicionais da cidade. Não à toa, “Puxadinho” foi o nome escolhido para o projeto. 

 (Manuel Sá/Divulgação)

Com pouca metragem disponível e um orçamento limitado, a primeira transformação feita pelo trio foi demolir a construção existente previamente: uma sala bem simples, que deu origem a dois quartos e um banheiro.

 (Manuel Sá/Divulgação)

 (Manuel Sá/Divulgação)

Com o andamento das obras, os arquitetos perceberam que podiam aproveitar ainda mais o espaço ao adaptarem os dormitórios em áreas sociais, além de utilizarem a cobertura como jardim e uma área de lazer aconchegante.

LEIA MAIS: Em SP, apê neutro para uma família que gosta de receber

 (Manuel Sá/Divulgação)

 (Manuel Sá/Divulgação)

O grande segredo para a versatilidade do “puxadinho” foi o uso inteligente das portas, que determinou a dinâmica do funcionamento de todos os ambientes. Ela é o elemento principal do projeto, responsável pela flexibilidade dos espaços e permitindo diferentes níveis de integração entre as áreas sociais e os espaços privativos.

 (Reprodução/ArchDaily)

Dependendo do uso, a porta cria três possibilidades para um mesmo espaço: uma área social com suíte, uma sala de estar com quarto e banheiro ou ainda um espaço com dois quartos e um banheiro.

LEIA MAIS: Antiga fazenda é transformada em casa moderna; veja o antes e depois

Além da versatilidade, o projeto prezou pela sustentabilidade graças as cisternas que drenam a água da chuva acumulada na cobertura, posteriormente utilizada na limpeza das áreas externas e na irrigação das plantas.

 (Manuel Sá/Divulgação)

Fonte: ArchDaily

 (Divulgação/Revista CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s