Casa à beira-mar emoldurada por coqueiros no Ceará

No pacato vilarejo de Icaraizinho de Amontada, a 200 km de Fortaleza, a arquiteta Inês Nóbrega construiu uma linda e singela casa à beira-mar emoldurada em coqueiros.

 

Projeto de vida em família

Em uma viagem pelas praias do Ceará, Inês Nóbrega (tels. 85/8722-4013 e 4011-5622) se extasiou com a beleza da enseada de Icaraizinho e escolheu a vila para construir uma casa de veraneio. Com o marido, comprou o terreno emoldurado em um coqueiral. “Era a realização de um sonho comum ter uma casa à beira-mar. Este é um lugar de encantamento. Meu marido, de uma sensibilidade impressionante, me ensinou a conviver com a comunidade de uma forma especial. Hoje, com a nossa filha de 6 anos, procuro tocar este projeto de vida e usufruir o nosso paraíso com a família e os amigos”, conta a arquiteta. É nesta paisagem que a construção integra interior e exterior, como se um fosse a extensão do outro. Por isso, a ligação entre cozinha e varanda, os grandes vãos e a escolha de materiais simples e rústicos.

 

O que torna esta casa especial

– O terreno abriga coqueiros, mangueiras, cajueiros e uma parte de um mangue com rica diversidade de plantas e bichos.

– Móveis e objetos produzidos por artesãos talentosos. 

– O uso de materiais naturais se faz presente em toda a construção.

 

Cor para trazer alegria aos ambientes

O terreno de 20 mil m² abriga dois bangalôs de 70 m² cada um, divididos em área social e íntima com dois quartos. A arquiteta buscou gerar o menor impacto ambiental possível. Assim, a ventilação cruzada dispensa a instalação de ar-condicionado e também não há chuveiro elétrico na casa. “Procurei usar materiais naturais da região na estrutura e no mobiliário. Valorizamos muito os nossos artesãos e as coisas maravilhosas que criam”, explica Inês, que levou em conta a beleza e a praticidade de manutenção na escolha de cada item. A paleta de cores é inspirada no verde dos coqueiros, no azul do mar, nos tons de flores e frutos. “Nos sentimos à vontade, de pés no chão, desfrutando da maravilha que é balançar a rede olhando o mar e ouvindo o som das ondas”, conta Inês sobre seu paraíso particular.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s