Casa de praia de Francisco Cálio, com muitas histórias

No litoral norte de São Paulo, o designer de interiores Francisco Cálio encontrou esta construção incomum pronta e fechada. Ele adquiriu o imóvel e o restaurou.

Há alguns anos, enquanto trabalhava no projeto de uma casa na praia de Guaratuba, Cálio avistou nas redondezas a imponente construção e passou a “namorar” a casa. “Descobri que ela havia sido erguida 50 anos antes pelo casal Iracema e Moacyr Archanjo dos Santos, comerciantes pioneiros de materiais de demolição, fundadores da loja O Velhão, em São Paulo”, conta. “Com a morte de Moacyr, dona Iracema concordou em vender o imóvel para mim, pois sabia que eu iria preservá-lo”, completa. Leia mais sobre essa história abaixo.

Como Cálio equilibrou peças rústicas e modernas

 

Assim que se tornou o novo proprietário da casa, Cálio iniciou uma obra de restauração, que durou um ano, para preservar toda a construção original. “O idealizador da casa, Moacyr, era um construtor nato, com ótimo conhecimento de proporções, por isso ela é tão agradável”, explica. Tudo foi mantido: piso, paredes, lustres e até os móveis antigos que já estavam nos ambientes. “No design de interiores, acrescentei peças modernas e objetos dos anos 1960, 70 e 80”, diz.

A origem de alguns itens da casa

 

“Saber que muitos dos elementos construtivos da casa já chegaram até ela cheios de história torna-se o ponto mais valioso para mim”, conta Cálio, enquanto aponta a origem de alguns deles. As janelas de 3 m de altura pintadas de azul-carbono, a banheira inglesa e os ladrilhos hidráulicos vieram dos casarões da av. Paulista, em São Paulo, construídos no período dos barões do café e demolidos para dar espaço aos arranha-céus, enquanto outros itens chegaram de antigas fazendas.

Aprenda a cuidar do ladrilho hidráulico

ladrilhos_cc606_98_refugio

 (/)

 

Elemento de destaque nesta casa, o ladrilho hidráulico chegou ao Brasil com os imigrantes europeus no início do século passado. A maneira de produzi-lo continua a mesma: cada peça é feita artesanalmente com uma massa de cimento, areia e corantes depositada em moldes de ferro. Depois de desenformada, passa por imersão em água (por isso o nome “hidráulico”) e secagem. A colocação e o acabamento com resina devem ser feitos por profissionais especializados. Apenas água e sabão de coco são indicados para a limpeza – jamais ácidos, sabão em pó e água sanitária. A manutenção é feita com cera líquida incolor a cada 15 dias.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s