Esta casa tem grife: o projeto é assinado por João Armentano

João Armentano assina um projeto que une volumes harmoniosos a muita luz natural e peças escolhidas a dedo.

Arquiteto estrelado, João Armentano assina o imóvel que se distribui de forma imponente no terreno de mais de 3 mil m², próximo de São Paulo. O projeto, finalista do Prêmio CASA CLAUDIA Design de Interiores deste ano, reflete o estilo apurado do autor ao unir volumes harmoniosos a muita luz natural, materiais bem escolhidos e móveis aconchegantes.

Se tivesse de eleger um só projeto com sua assinatura, João Armentano escolheria este, construído num condomínio residencial próximo da capital paulista. “Gosto dele porque é um modelo 2014, recém-saído de fábrica”, afirma, com seu jeito brincalhão. As generosas aberturas, a farta iluminação natural, o cuidadoso estudo de ventilação cruzada – que dispensa, na maioria das vezes, o uso do ar-condicionado – e a criteriosa seleção de materiais justificam a preferência. O proprietário, um antigo cliente, virou também amigo, como tantos outros que frequentam o escritório de João, localizado na cobertura de um prédio concebido por ele na Vila Olímpia, em São Paulo. “Em nossas conversas, o dono sempre ressaltava a vontade de ter contato com a terra. Decidi ampliar o conceito e, além desse elemento, incluí o fogo, representado pela lareira, e a água, pelo espelho-d’água do hall dos quartos. Assim, o projeto virou poesia”, diz. Apesar de o arquiteto se definir como um sonhador, a ele cai melhor o papel de realizador de sonhos. “Tentei contemplar aqui os principais desejos do casal: pé-direito alto, conexão do interior com o jardim e sensação de aconchego, apesar das grandes dimensões. Apenas evitei os excessos. Por isso, as linhas da arquitetura e do mobiliário são retas, o piso é quase sempre o mesmo, e o forro de gesso dispensa detalhes.” Perfeccionista como um bom virginiano, João não sossegou até encontrar a maneira ideal de distribuir os ambientes pela construção de 1,2 mil m². Dividiu-a em blocos, concentrando as salas na parte central e as alas de serviço e íntima nas extremidades. Outra preocupação foi erguer a casa na parte mais privilegiada do terreno, contornado por três ruas. “Ela repousa elegantemente na parte mais alta, tirando partido da vista.” Além dos moradores, os vizinhos também parecem ter aprovado a obra: não é raro encontrar um deles parado na rua, de celular em punho, fotografando o imóvel.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s