Memorial em homenagem às vitimas da caça às bruxas na Noruega

O arquiteto Peter Zumthor e a artista plástica Louise Bourgeois criaram o The Steilneset Memorial para honrar as vítimas da Inquisição durante o século 17

Com auge no século 17, a onda de perseguições a pessoas supostamente ligadas à feitiçaria causou cerca de 50 mil mortes por toda a Europa. Na Noruega, a maioria das execuções aconteceu em Vardo, uma das primeiras cidades a se formar no país. Incapazes de reunir provas concretas, os oficiais do Tribunal do Santo Ofício interrogavam e torturavam centenas de acusados e, como teste final, os atiravam ao mar. Se o corpo boiasse, era prova de culpa, e a pessoa seguia para a fogueira. Documentos resgatados apontam que nenhum corpo jamais afundara. Constam nos registros a condenação de 91 pessoas. Nesse mesmo local, foi inaugurado, em junho de 2011, o Steilneset Memorial, espaço dedicado à memória das vítimas projetado por Peter Zumthor.

Saiba como Peter Zumthor desenvolveu este projeto

 

Em 2006, o recluso arquiteto deixou a Suíça para viajar pela primeira vez à quase deserta Vardo, cidade localizada no extremo leste da Noruega. “Em minha primeira caminhada noturna pelo lugar, me emocionei com as casasescuras onde apenas as luzes das janelas indicavam a existência humana. Também me chamou a atenção as muitas redes e outros artigos de pesca e levei tempo contemplando o horizonte. Considerei a horizontalidade da paisagem extremamente importante. E, então, quando acordei pela manhã, eu já tinha a ideia”, contou Zumthor à revista Icon Eye. Zumthor sempre defendeu a arquitetura como algo experimental que se inicia das emoções, e aponta características do ofício de um escultor em seu trabalho. Talvez por isso, as carcaças de bacalhau espetadas fora das casas para secar inspiraram o desenho do memorial: um casulo têxtil preso por meio de cabos de aço à estruturade pinho, referência ao corpo estirado de um animal. Essa resistente estrutura de lona costurada a mão foi pensada de maneira a suportar as fortes tempestades que atingem a região. No interior, a escuridão e o teto cheio de nervuras, imitando o palato de uma boca, causam estranhamento por todo o trajeto de 120 m de comprimento e 1,50 m de largura. Pelas paredes, estão distribuídas 91 janelas iluminadas por lâmpadas penduradas, uma para cada suposto bruxo queimado na fogueira, e documentos expostos anunciam as mortes. Quando os ventos fortes sopram na costa, toda a estrutura balança. O visitante é o único a se manter estável, já que o chão do estreito corredor está preso a uma estrutura independente da membrana têxtil, mas as paredes e as luzes se movimentam de maneira inesperada e surpreendente. Como se apenas o memorial não fosse motivo suficiente para atrair olhares para a remota eesquecida Vardo – onde vivem pouco mais de 2 mil habitantes e apenas duas árvores sobreviventes dos invernos rigorosos –, foi construído, ao lado, o pavilhão que abriga uma das últimas criações da artista francesa radicada nos Estados Unidos Louise Bourgeois (1911- 2010), a obra The Damned, the Possessed and the Beloved (O Condenado, o Possuído e o Adorado). Ao passar pelos 17 painéis de vidro, sete grandes espelhos posicionados no alto da sala refletem chamas saídas de aberturas no assento de uma cadeira.

As imagens formadas no espelho mostram uma distorção daquilo que realmente existe no espaço. Ali o visitante é convidado a repensar a relação entre o real e o inventado, e a reinterpretar os fatos que nos cercam. Uma sugestão direta de volta ao passado para buscar a memória dos crimes cometidos na fogueira há 400 anos, que atingiram as pessoas acusadas de feitiçaria. A saúde debilitada de Louise não permitiu que viajasse para conhecer o lugar. Como solução, ela trocou desenhos com o arquiteto via fax até chegarem à proposta ideal. “Eu tive a responsabilidade de construir a concha para a obra de Louise, fiquei muito honrado”, revela Zumthor. A reunião em um mesmo lugardas obras de duas personalidades tão intensas e inventivas faz parte do programa para atrair visitantes, promovido pelo governo norueguês, que prevê, para os próximos anos, a construção de outros projetos arquitetônicose obras de infraestrutura pelo país.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s