Morar sozinho não é mais tabu

Laís e Dante fazem parte do grupo de pessoas que optou por morar sozinho

A casa de Laís se transformou após sua mãe mudar de cidade. “Fiz pequenas coisas que deram outro astral ao ambiente”, conta. A casa de Laís se transformou após sua mãe mudar de cidade. “Fiz pequenas coisas que deram outro astral ao ambiente”, conta.

A casa de Laís se transformou após sua mãe mudar de cidade. “Fiz pequenas coisas que deram outro astral ao ambiente”, conta. (Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Já em 2012 o jornal britânico The Guardian anunciava: “Pela primeira vez na história, um grande número de pessoas – de todas as idades, em todos os lugares e de diferentes posições políticas – passou a viver desacompanhado”. Desde então, essa quantia aumenta no mundo todo e o Brasil não fica fora.

Nos últimos dez anos, a taxa passou de 5,5 milhões para 9,9 milhões de pessoas, segundo o IBGE. Diversos fatores estão por trás disso, como a reconfiguração das famílias, a emancipação feminina e a pequena metragem dos apartamentos. E, claro, a vontade de curtir um mundo particular.

Afinal, morar sozinho por opção não é mais um tabu. O perfil desses moradores vai de jovens adultos com renda suficiente para se bancar a pessoas que se divorciaram e preferiram permanecer sozinhas. Há também os casais que moram em casas separadas.

No apartamento de 48 m², o projeto do MN arquitetos priorizou a rotina prática de Dante com estantes planejadas e móveis versáteis. No apartamento de 48 m², o projeto do MN arquitetos priorizou a rotina prática de Dante com estantes planejadas e móveis versáteis.

No apartamento de 48 m², o projeto do MN arquitetos priorizou a rotina prática de Dante com estantes planejadas e móveis versáteis. (Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

“Isso anda ao lado de uma tendência maior de autodescobrimento, em que as pessoas se desconectam do mundo caótico e acham oportunidades para desenvolver autossuficiência e bem-estar”, explica Bia Bezamat, executiva sênior do bureau Stylus.

São muitas as histórias de quem vive assim. No caso do administrador de empresas Dante Lima, essa solução vem pela praticidade. “Tenho uma rotina intensa e moro sozinho há anos. Meu apartamento é todo integrado e me permite trabalhar com calma pela manhã antes de ir para o escritório”, explica.

Já a relações-públicas Laís Bemerguy ficou no apartamento após a mãe mudar de cidade e, aos poucos, percebeu uma nova sintonia com o ambiente. “Tomei conta do espaço. Pintei as paredes e pendurei meus quadros, que deram outra vida ao décor”, explica. Laís gosta de redescobrir a casa quando volta de viagem. “Abro um vinho e aproveito o silêncio para relaxar e ler livros”, diz.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s