IV Prêmio CASA CLAUDIA: todos os vencedores e finalistas

Conheça quem são os vencedores e finalistas da quarta edição do Prêmio CASA CLAUDIA de Design de Interiores

1. Apartamentos

 (Marco Antonio/Prêmio CASA CLAUDIA)

Em cada ângulo deste apartamento de 250 m², projetado por David Bastos em São Paulo, é possível apreciar belas junções de móveis, peças de arte e objetos. Na área do home theater, a prateleira instalada sob a viga exibe fotos de Pierre Verger e desenho de Siron Franco. Logo na entrada, a área de circulação causa impacto com as obras fixadas no espelho da parede e a cadeira de palhinha dos anos 1950, de John Graz – esse conjunto pode ser contemplado do living. Acima do sofá, destaca-se a escultura de Leda Catunda.

Conheça os finalistas da categoria:

2. Casas Urbanas

 (Marco Antonio/Prêmio CASA CLAUDIA)

Ambientes amplos e integrados. Pé-direito duplo com grandes tesouras desenhando o ar. Na área social desta casa paulistana decorada por Francisco Cálio, as volumetrias, a disposição das obras de arte e a linearidade dos móveis criam um grafismo vibrante e criativo. Tons como amarelo, verde, azul-turquesa e berinjela aquecem a base neutra da sala e do quarto. Nos estofados, tecidos de alfaiataria, couro e camurça. As luminárias de mesa do estar são clássicos dos irmãos italianos Castiglione.

Conheça os finalistas da categoria:

 

3. Decoração no Campo

 (Tuca Reinés/Prêmio CASA CLAUDIA)

Antes, um sítio de estilo alpino. Agora, uma casa de campo contemporânea com a grife RoccoVidal P+W. Vista de fora, parece uma tela pintada, com volumes de pedra e madeira, diante da refrescante piscina. Talhada para receber, oferece múltiplas áreas de convivência. Na sala de jantar, as cadeiras Marta, de Aristeu Pires, acomodam a família e os amigos. Na sala, os estofados enaltecem o conforto e a estante de chapas de alumínio, desenho do escritório, a organização.

Conheça os finalistas da categoria:

 

4. Decoração na Praia

 (Marco Antonio/Prêmio CASA CLAUDIA)

Inspirado nas cabanas de pescador da praia dos Nativos, no rio Trancoso, Bahia, este bangalô de 46 m² faz a alegria do casal de designers americanos Robert e Cortney Novogratz. O projeto, de Daniela Oliveira e André Lattari, só utiliza materiais naturais, como paraju nas paredes e tatajuba no piso. A decoração, simples e acolhedora, combina peças criadas pelos Novogratz, como o sofá, e pelos arquitetos – cama com dossel e closet que aproveitam restos de madeira da região. No banheiro, um aparador faz as vezes de bancada.

Conheça os finalistas da categoria:

 

5. Jardins

 (Romulo Fialdini/Prêmio CASA CLAUDIA)

A jabuticabeira no centro do terreno deu o norte para a arquiteta Renata Tilli conceber o projeto paisagístico desta casa em São Paulo. Com maestria, ela desenhou formas sinuosas para a piscina e a revestiu de ardósia e pedregulho. Com aparência de lago, o local ganhou ainda plantas aquáticas e peixes. A exuberante vegetação, caminhos cobertos de pedras e pedriscos e um pequeno ofurô convidam não só à apreciação como também a uma imersão na natureza.

Conheça os finalistas da categoria:

 

6. Hotéis e Pousadas

 (Denilson Machado/MCA Estúdio/Prêmio CASA CLAUDIA)

Sob a batuta do talentoso trio do Jacobsen Arquitetura, um hotel de estilo colonial no centro histórico de Paraty, RJ, transformou-se num espaço temático e acolhedor: a Pousada Literária, que oferece por toda parte livros de boa estirpe. Nas áreas de convivência, uma seleção refinada de móveis e luminárias de design nacional traz conforto aos hóspedes sob o gráfico telhado forrado de tala de dendê. Pedras, madeira e fibras dão o tom à ambientação.

Conheça os finalistas da categoria:

 

7. Lojas

 (Rafaela Netto/Prêmio CASA CLAUDIA)

A mistura inusitada de caixotes coloridos a mobiliário modernista reforça o conceito contemporâneo e inusitado da casa de carnes Feed, no Itaim, em São Paulo. A turma do FGMF + Projeto de Perto não economizou nas ideias e idealizou, de um lado, expositores refrigerados para armazenar as carnes e, do outro, uma comprida estante, que organiza os produtos para o preparo do alimento. Na área gourmet com iluminação zenital, uma árvore, rodeada de plantas, brota no centro da construção.

Conheça os finalistas da categoria:

 

8. Restaurantes e Bares

 (Fernando Guerra/Prêmio CASA CLAUDIA)

Inserido em um cubo de vidro fixo, o restaurante Kosushi, no shopping Cidade Jardim, em São Paulo, atiça os sentidos entre texturas de materiais naturais. Dividido em dois pisos, o projeto tira partido do espaço estreito, comprido e de pé-direito de 6 m. Abertas, as portas guilhotina agregam o terraço, ampliando a área das mesas. Cadeiras de Charles e Ray Eames conferem ares modernos à bancada dos sushimen. A iluminação, natural e indireta, contribui para este cenário de pura sedução. O projeto é do arquiteto Arthur Casas.

Conheça os finalistas da categoria:

 

9. Escritórios e Consultórios

 (Ruy Teixeira/Prêmio CASA CLAUDIA)

Com a mesma destreza com que Celso Kamura pilota uma tesoura, o escritório Bernardes Arquitetura criou o design do primeiro salão de beleza do cabeleireiro em solo carioca. Instalado em um shopping, as áreas de corte ganharam bancadas de madeira clara e poltronas de couro, iluminadas por uma luz que simula claraboia. A árvore, plantada num vão do piso monolítico de resina, confere um ar divertido ao espaço de espera. Brises de madeira, formando divisórias e aplicados no teto, isolam a ala masculina.

Conheça os finalistas da categoria:

 

10. Mostras de Decoração

 (Evelyn Müller/Prêmio CASA CLAUDIA)

Os tons do mar invadiram o projeto deste refúgio de praia, de 500 m², construído para a mostra Casa Cor São Paulo 2013. Logo na entrada, o charme da ambientação se pronuncia. Sob o pergolado pintado de azul-klein, um belo arranjo de móveis e espelho. No living, a imponente poltrona de Zanine Caldas (1919-2001) quebra o predomínio da cor no piso, no tapete e na palha de seda que reveste a parede, com telas de Carlito Carvalhosa e Lucia Koch. A elegante sala de banho dá um show à parte com o grafismo do painel de ladrilhos hidráulicos. O projeto é do arquiteto Roberto Migotto.

 (Jomar Bragança/Prêmio CASA CLAUDIA)

No jardim de uma residência concebida por Oscar Niemeyer (1907-2012), Pedro Lázaro idealizou a Sala Minas para a Casa Cor 2013 de Belo Horizonte. Usando elementos provenientes da indústria local, construiu uma estrutura com piso e parede de pedra-sabão, cobertura de madeira de reflorestamento e planos envidraçados sucedidos por volumes de aço-carbono. O espaço se compõe de deque, pátio, salas de estar e jantar. Acima, o aparador de madeira e tiras de couro, dos mineiros Marcelo Alvarenga e Susana Bastos, brilha ao lado de obras de arte moderna e contemporâneas.

Conheça os finalistas da categoria:

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s