A evolução dos laminados: tire dúvidas sobre o revestimento

Com a ajuda da tecnologia, os pisos deste tipo passaram a reproduzir com perfeição texturas, nuances e até os veios da madeira natural.

Rápido de instalar, simples de manter

Quais as vantagens?

Entre arquitetos e designers de interiores, a resposta é unânime: não há revestimento com tamanha facilidade de instalação e manutenção. “Sem contar a gama de padrões oferecidos”, afirma o arquiteto Maurício Queiroz, de São Paulo. Por ser um piso flutuante, as réguas são colocadas apenas com cola ou encaixe de clique. Sem sujeira, instala-se tudo num dia e, no outro, pode-se circular pelo espaço. “Além disso, estamos falando de uma alternativa sustentável, feita de material de florestas certificadas pelo FSC”, ressalta a arquiteta Renata Braga, da Duratex, de São Paulo.

Posso usá-lo em áreas molhadas?

Uma das desvantagens do laminado está no fato de ser contraindicado para banheiros, cozinhas e lavanderias. “Trata-se de um revestimento com miolo de madeira, que acaba sofrendo mudanças e estufando com água. Mas vale lembrar que esse processo também acontece com assoalhos e tacos naturais”, diz Renata.

Ele sai caro?

“O baixo custo, até 1/3 menor do que o de um assoalho de madeira, é um dos benefícios do laminado”, responde o arquiteto Rodrigo Costa, do Studio Costa Marques, de São Paulo. No quesito durabilidade, os fabricantes oferecem garantias entre cinco e 16 anos, dependendo do modelo e da marca. Ao escolher, precisa-se observar a classe de abrasão, que vai de AC2 a AC5. Casas são consideradas áreas de baixo tráfego. “AC2 ou AC3 bastam”, orienta Renata.

Que avanços o produto teve nos últimos tempos?

Quando esse revestimento aportou no Brasil, há 20 anos, sua aparência não era tão fel à madeira. “Hoje, a tecnologia permite criar até ranhuras e relevos nas superfícies”, conta o engenheiro civil Carlos Eduardo Mariotti, da Associação Brasileira da Indústria de Piso Laminado de Alta Resistência (Abiplar), de São Paulo. Outros upgrades, disponíveis em algumas marcas, são a proteção contra microrriscos e bactérias e a propriedade antiestática, que evita o acúmulo de poeira.

Como deve ser o contrapiso? Posso instalar o laminado sobre outros revestimentos?

Para não correr o risco de o piso se soltar, empenar ou manchar, vale ter cuidado extra na preparação do contrapiso. Ele deve estar seco (a cura do cimento leva cerca de 30 dias), limpo, nivelado e isento de umidade. Sim, o laminado pode recobrir materiais existentes e, por ser pouco espesso, é um dos raros revestimentos que permitem essa façanha sem mexer na altura de portas. “Trata-se de uma opção imbatível numa reforma rápida ou em caso de imóvel alugado. As réguas colocadas com cliques têm a vantagem de serem retiradas e transferidas facilmente para outro endereço”, relata Rodrigo. Mas atenção: a cada 1,5 m de extensão, o desnível do contrapiso só deve variar até 3 mm, podendo ser corrigido com a manta acústica. Caso contrário, será preciso passar uma nata de cimento.

Eu mesmo posso assumir a colocação?

“Prefira contratar instaladores experientes”, afirma a designer Flávia Athayde Vibiano, da Eucatex. Um erro comum está na junta de dilatação, obrigatória em todo o perímetro da parede. Como o revestimento tende a dilatar ou contrair, vale deixar entre 0,8 e 15 mm entre o piso e a alvenaria, conforme indica o fabricante. “Esse espaço fica escondido sob o rodapé”, acrescenta.

Como impedir o toc toc dos sapatos?

Evite esse problema com o uso de mantas acústicas entre o laminado e o contrapiso. “Feitas geralmente de EVA ou polietileno, elas absorvem os ruídos”, explica Carlos Eduardo, da Abiplar.

É fácil manter o laminado? Devo encerá-lo?

Pano umedecido em água (muito bem torcido) e detergente neutro, vassoura de cerdas macias ou aspirador de pó bastam para a limpeza. Evite materiais cortantes e ásperos, como lixas, palhas de aço e esponjas dupla-face. Esses itens não só danificarão o piso como também implicarão na perda da garantia. “Passar cera ou enceradeira é contraindicado. O produto não será absorvido e ainda dificultará a faxina”, explica Flávia. Assegure a longevidade adotando feltro nos pés dos móveis e rodízios de poliuretano, já que os de náilon são abrasivos.

O que fazer para acabar com as sujeiras difíceis?

Se houver mancha de cola, a Duratex sugere removedor de esmalte ou uma solução de 50% de água morna e 50% de álcool. Para retirar tinta, verniz ou graxa, a Eucatex recomenda aguarrás, tíner ou querosene, materiais oleosos que, na sequência, requerem a aplicação de um pano com água e sabão neutro a fim de dissolver a gordura.

Comparando laminado X madeira:

O primeiro é mais fácil de colocar e limpar. “Já as tábuas maciças e os tacos exigem muitos cuidados na instalação e manutenção, como rejunte, cera e resina. Mas são clássicos e apresentam uma beleza autêntica”, avalia Maurício Queiroz. O aconchego incomparável do material natural configura mais uma qualidade destacada pelos profissionais. “Embora o laminado seja uma excelente alternativa e esteja cada vez mais semelhante à madeira, ainda fica alguns degraus abaixo dela, bem mais durável e sofisticada”, diz o designer de interiores Fernando Piva, de São Paulo. O arquiteto Luiz Sentinger, de Porto Alegre, ressalta mais uma importante diferença: “Laminados empregam espécies de reflorestamento, poupando a natureza”.

Outras imitações

Se você deseja trazer a sensação de acolhimento para dentro de casa, há diversas opções de revestimento, além do laminado, que reproduzem com maestria a aparência da madeira natural. Um deles é o porcelanato, que, nos últimos anos, passou a contar com a tecnologia da impressão digital em alta definição, mais conhecida como HD. Agora, as placas não só imitam as medidas de tábuas corridas como também exibem texturas e nuances de diversas espécies. Há, ainda, os pisos vinílicos, geralmente fabricados de PVC, que, além da semelhança com a madeira, reúnem atrativos dos laminados, como a facilidade de instalar e limpar.

Estampas e efeitos estonados são destaque em feira internacional

Realizada em janeiro, na cidade alemã de Hanover, a Domotex é considerada uma das principais feiras no segmento de tapetes, carpetes, laminados, vinílicos e madeiras naturais. “Na última edição, o efeito industrial, que já está bem presente no mobiliário e em outras peças de decoração, foi incorporado aos pisos”, diz Renata, da Duratex. Remetendo aos celeiros e galpões antigos, os produtos patinados com poros esbranquiçados também roubaram a cena. Além deles, ganharam destaque as réguas acinzentadas, com estampas e tudo o que lembra a natureza e o feito a mão. “As composições que misturam tonalidades claras e escuras e alternam réguas largas e finas continuam em alta”, confirma Flávia, da Eucatex.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Tendo estado surfando on-line mais que 3 horas ultimamente, ainda eu de
    nenhuma forma achei algum artigo tão fascinante como
    o seu. É bonito com valor bastante pra mim. Pessoalmente, seria de grande
    interesse para todos donos de site e criadores de conteúdo criar um bom conteúdo como você fez, a net ficaria ser mais útil do que nunca.

    Curtir