Jardim inspirado no deserto tem mais de 30 espécies de cactos

Uma extensa variedade da planta foi usada neste projeto singular, que transformou a paisagem de uma fazenda paulista

Paisagismo cactos O cacto candelabro tem seiva tóxica – deve-se tomar cuidado com o contato com crianças e animais de estimação

O cacto candelabro tem seiva tóxica – deve-se tomar cuidado com o contato com crianças e animais de estimação (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

O proprietário desta fazenda em Mococa, no interior de São Paulo, se apaixonou pela ideia de ter um jardim inspirado no deserto quando viu a instalação que o paisagista Ricardo Caporossi Junior montou em uma feira. “Eu havia distribuído várias espécies de cactos nas margens de um lago”, diz o profissional, mais acostumado a criar piscinas naturais com sua empresa, a Genesis Ecossistemas.

Paisagismo cactos A mexicana Agave macroacantha representa saúde, fertilidade e longevidade para a cultura asteca

A mexicana Agave macroacantha representa saúde, fertilidade e longevidade para a cultura asteca (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

Por incrível que pareça, este espaço de quase 2 mil m² foi executado num prazo muito curto: 15 dias para a idealização e outros 15 para a obra. Perto de concluir o trabalho, o paisagista notou que o jardim estava muito árido. Foi então que teve um insight e incluiu uma fonte no projeto: perfurada no centro, uma rocha de mais de 2 m de altura deixa correr um fio de água, o que atrai pássaros, além de deixar o ar do ambiente mais fresco.

Paisagismo cactos Vista geral de um dos cantos do jardim, que junta sete espécies

Vista geral de um dos cantos do jardim, que junta sete espécies (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

Recheado de espécies raras, vindas de um produtor especializado em Holambra (SP), o espaço ganhou ritmo ao combinar canteiros coletivos e plantas esculturais mais isoladas – dessa forma, elas ficam em destaque.

Paisagismo cactos À esquerda, o mexicano Stenocereus marginatus tem crescimento rápido e é muito utilizado na criação de cercas vivas e barreiras. À direita, também do México, o bola-de-ouro está em perigo de extinção em seu habitat natural. No
verão, dá flores amarelas após completar alguns anos de idade.

À esquerda, o mexicano Stenocereus marginatus tem crescimento rápido e é muito utilizado na criação de cercas vivas e barreiras. À direita, também do México, o bola-de-ouro está em perigo de extinção em seu habitat natural. No
verão, dá flores amarelas após completar alguns anos de idade. (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

No piso, pedras de tamanhos variados e areia completam o clima desejado pelo proprietário da fazenda, que, em apenas um mês, virou também o dono dessa paisagem única.

Paisagismo cactos O facheiro, ou mandacaru-de-facho, é típico da caatinga, no Nordeste do Brasil. Em novembro, dá uma exuberante flor branca

O facheiro, ou mandacaru-de-facho, é típico da caatinga, no Nordeste do Brasil. Em novembro, dá uma exuberante flor branca (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

Paisagismo cactos À esquerda, o palito de fogo pode ter sua seiva transformada em combustível. À direita, orelha-de-coelho é outra planta de origem mexicana. Fácil de cuidar, vai bem cultivada em vaso, dentro de casa

À esquerda, o palito de fogo pode ter sua seiva transformada em combustível. À direita, orelha-de-coelho é outra planta de origem mexicana. Fácil de cuidar, vai bem cultivada em vaso, dentro de casa (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

Paisagismo cactos A forma retorcida caracteriza o cacto parafuso. Uma vez ao ano, a espécie ganha fores cor-de- -rosa, que vivem apenas um dia

A forma retorcida caracteriza o cacto parafuso. Uma vez ao ano, a espécie ganha fores cor-de- -rosa, que vivem apenas um dia (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

Paisagismo cactos À esquerda, a Euphorbia lactea tem propriedades medicinais. À direita, Agave sisalana é a espécie da qual se extrai o sisal, fio biodegradável usado em tapetes e cestos.

À esquerda, a Euphorbia lactea tem propriedades medicinais. À direita, Agave sisalana é a espécie da qual se extrai o sisal, fio biodegradável usado em tapetes e cestos. (Marco Antonio/Revista CASA CLAUDIA)

 

 

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s