Sergio Rodrigues: morreu o designer e arquiteto criador do móvel moderno no Brasil

Sergio Rodrigues faleceu nesta manhã, no Rio de Janeiro. O arquiteto e designer carioca lutava contra um câncer de garganta

abre-sergio-rodrigues-morre

Sergio Rodrigues, arquiteto e designer carioca, faleceu aos 86 anos esta manhã (1º de setembro de 2014) no Rio de Janeiro. Há alguns meses, ele vinha lutando contra um câncer na garganta. Em março de 2014, a 4ª edição do Prêmio Casa Claudia Design de Interiores homenageou Sergio Rodrigues, no Auditório Ibirapuera – no evento de premiação. Sergio, porém, já doente, não pôde comparecer, sendo representado pela mulher, Vera Beatriz. Abaixo, o vídeo com uma das últimas entrevistas do designer, apresentado durante o Prêmio Casa Claudia. Leia também perfil do designer, publicado na edição de abril de 2014 da revista CASA CLAUDIA.

  

PERFIL:

Sérgio Rodrigues: o criador do móvel moderno no Brasil

Sergio Rodrigues é um clássico. “Ele está para o design de móveis assim como Oscar Niemeyer está para a arquitetura e Lucio Costa para o urbanismo”, afrma o jornalista e escritor Zuenir Ventura. Sergio Rodrigues é um homem bom. “Nunca o ouvi falar mal de alguém”, diz Nedina Lopes Souza, cozinheira da família desde 1984. Na trajetória de 86 anos de vida, o arquiteto carioca conquistou admiradores profssionais com a mesma facilidade com que fez amizades duradouras. “Sergio guarda seu lado criança, o que o leva a topar todos os desafos e estar sempre desarmado para o outro”, considera o arquiteto Jorge Hue, amigo de sete décadas. Primeiro designer brasileiro reconhecido internacionalmente – ficou famoso quando a poltrona Mole (1957), confundida aqui como cama de gatos, venceu o Concurso Internacional do Móvel, em Cantù, Itália, em 1961 –, ele ajudou a mudar o jeito de mobiliar as casas do país. “Sempre busquei trazer brasilidade para meus projetos de interiores”, avalia. Ao criar mobília, tanto para as residências de traço moderno quanto para os palácios de Brasília, desenvolveu um estilo próprio, de formas robustas e acolhedoras, que valoriza nosso modo de viver e os materiais nacionais: madeira, couro e palha. Expert em ergonomia e marcenaria, Sergio não demonstrou o mesmo talento para administrar os negócios e acabou perdendo a loja e a fábrica de móveis, a Oca e a Taba, das quais esteve à frente de 1955 a 1968. Ficou longos anos sem produzir mobília em escala até encontrar uma empresária disposta a encarar essa empreitada. “Em 2000, Gisele [Schwartsburd, dona da LinBrasil] vendeu um apartamento para reeditar minhas peças”, conta. Deu tão certo, que a poltrona Diz (2001) é hoje o modelo mais vendido da coleção. Feliz de Sergio, que pôde ver, em pouco tempo, outra de suas criações virar um clássico do nosso design.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s