Acervo em movimento renova o décor desta casa em SP

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam O quadro de Fabio Miguez acompanha o casal há anos e dá a identidade visual à sala. No canto, obra de metal de Marcius Galan.

O quadro de Fabio Miguez acompanha o casal há anos e dá a identidade visual à sala. No canto, obra de metal de Marcius Galan. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

A casa dos colecionadores Dulce e João Carlos de Figueiredo Ferraz, em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, é um desses lugares onde a arte fala pelo todo. Dulce é decoradora e dona de uma loja de mobiliário repleta de achados vindos do Oriente, e João, o atual presidente da Fundação Bienal de São Paulo. Juntos há 39 anos, os dois gostam de rodar o mundo em busca de novidades para a loja e de obras para a coleção de arte contemporânea, que conta com mais de mil peças.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam Em primeiro plano, escultura de Franz Weissmann e, ao fundo, tela de Paulo Pasta. Sobre a mesa vintage, escultura de mármore de Maria Carmen Perlingeiro e vasos da Decorasia.

Em primeiro plano, escultura de Franz Weissmann e, ao fundo, tela de Paulo Pasta. Sobre a mesa vintage, escultura de mármore de Maria Carmen Perlingeiro e vasos da Decorasia. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Dessa mistura de referências, surge uma casa onde nenhuma parede fica vazia e não há cantinho que não ganhe ao menos um quadro ou uma escultura. “Trabalho com isso, então me sinto muito à vontade para montar o lugar onde moro, ainda mais com tanta coisa linda por perto. Acaba sendo um exercício conjunto nosso, pensado para deixar a arte em evidência”, conta Dulce.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam No living, a fotografia de Claudio Edinger e a poltrona Rede, de Sergio Bernardes, dão toques contemporâneos ao mix clássico.

No living, a fotografia de Claudio Edinger e a poltrona Rede, de Sergio Bernardes, dão toques contemporâneos ao mix clássico. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Atualmente, apenas uma parte das obras (a que tem as peças mais queridas) preenche os espaços da casa. A outra compõe o acervo do Instituto Figueiredo Ferraz (IFF), inaugurado em 2011, em que acontecem exposições abertas ao público.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam Na sala de jantar, cadeiras GB01, de Geraldo de Barros, e mesa de vidro da Decorasia. Na parede, tela Manhã de Sol, de Cristina Canale.

Na sala de jantar, cadeiras GB01, de Geraldo de Barros, e mesa de vidro da Decorasia. Na parede, tela Manhã de Sol, de Cristina Canale. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

“Tudo começou numa época em que artistas, hoje já consagrados, iniciavam a carreira. Nós éramos jovens entusiastas, e eles, jovens criadores”, diz João. A primeira obra foi uma tela de Jorge Guinle, vinda de uma exposição na Galeria Luisa Strina. Depois, chegaram trabalhos de artistas como Iole de Freitas, Cildo Meireles, Luis Paulo Baravelli, Paulo Pasta e Leda Catunda.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam Até na varanda há obras expostas. Aqui, quadro do taiwanês Lin Yi-Hsuan. O sofá de ferro lembra o desenho de um antigo chesterfeld.

Até na varanda há obras expostas. Aqui, quadro do taiwanês Lin Yi-Hsuan. O sofá de ferro lembra o desenho de um antigo chesterfeld. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

“Nossos filhos cresceram brincando de esconde-esconde num véu do Waltercio Caldas e, de vez em quando, eu percebia que tinham penteado uma cabeleira do Tunga”, lembra Dulce. “Antigamente, não era habitual ter obras não figurativas no meio da sala. As visitas achavam esquisito. Era bem engraçado.”

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam No estar que se liga com a varanda, o díptico de Patricia Furlong preenche a parede ao lado de obras de Johanna Calle e Eduardo Stupía.

No estar que se liga com a varanda, o díptico de Patricia Furlong preenche a parede ao lado de obras de Johanna Calle e Eduardo Stupía. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Com a abertura do IFF, trabalhos que fazem mais sentido num espaço expositivo próprio foram levadas para lá, enquanto no sobrado, para o qual eles se mudaram cinco anos atrás, ficaram aquelas de que gostam mais.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam Aqui, composição com Mira Schendel, Arthur Lescher, Arthur Luiz Piza, Dudi Maia Rosa e outros.

Aqui, composição com Mira Schendel, Arthur Lescher, Arthur Luiz Piza, Dudi Maia Rosa e outros. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Algumas delas, inclusive, foram posicionadas na mesma configuração em que estavam na casa onde moravam antes, tamanha a afinidade que Dulce e João têm com elas. “Às vezes, emprestamos obras para mostras em museus e é impressionante como sentimos falta, pois elas tomam conta do ambiente. Sempre substituímos temporariamente por outras, mas esperando que as que foram voltem logo”, explica João.

Nesta casa, no interior de São Paulo, as obras de arte estão sempre mudando de lugar – não sem antes deixar sua marca por onde passam A parede ao lado do bar é dedicada a obras feitas em papel de Marepe, Guto Lacaz e Iberê Camargo, entre outros. À esquerda, tela de Claudio Tozzi, mesa de Giuseppe Scapinelli e cadeiras da Casa Verão.

A parede ao lado do bar é dedicada a obras feitas em papel de Marepe, Guto Lacaz e Iberê Camargo, entre outros. À esquerda, tela de Claudio Tozzi, mesa de Giuseppe Scapinelli e cadeiras da Casa Verão. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Aliás, colocar as peças no lugar sempre foi uma grande diversão para os dois, que costumam abrir uma garrafa de vinho e brincar de quebra-cabeça para escolher o que cabe melhor em cada espaço em branco – que já não são muitos.

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Veja Também Artesanei.com.br | Novo Shopping Artesanato, Decoração!

    Novo Shopping Bora fazer economia girar – Descubra fabricantes, designers independentes e empreendedores criativos de todos os lugares, tudo em um só lugar. https://artesanei.com.br

    Curtir