Apartamento em São Paulo com móveis vintage e clássicos do design

Há três anos vivendo no Brasil com o marido, a moradora projetou um lugar cheio de luz e muito espaço para as memórias da família

Juntas, as duas estantes de aço somam 3,30 m de largura. Elas foram desenhadas pela dona da casa, a arquiteta Laura Gonzales Fierro, e trazidas na mudança de Nova York para São Paulo. A chaise LC4, de Le Corbusier, faz dupla com o tapete.

Juntas, as duas estantes de aço somam 3,30 m de largura. Elas foram desenhadas pela dona da casa, a arquiteta Laura Gonzales Fierro, e trazidas na mudança de Nova York para São Paulo. A chaise LC4, de Le Corbusier, faz dupla com o tapete. (Victor Affaro)

Philippe é suíço e economista. Laura, por sua vez, mexicana e arquiteta. Mas o caminho dos moradores deste apartamento paulistano se cruzou em um país distinto da origem dos dois. “Nos conhecemos em Nova York, nos Estados Unidos, há mais de dez anos”, conta Laura.

As cadeiras da sala de jantar são antigas e foram garimpadas ao longo dos dez anos em que o casal morou nos Estados Unidos.

As cadeiras da sala de jantar são antigas e foram garimpadas ao longo dos dez anos em que o casal morou nos Estados Unidos. (Victor Affaro)

Na cidade, onde ela ainda mantém seu escritório de arquitetura, eles descobriram paixões comuns – design, arte, fotografia, literatura – e começaram um rico acervo de livros, quadros e mobiliário clássico e vintage. “Esse garimpo constituía a decoração da casinha que compartilhávamos.

A cozinha exibe revestimentos originais do projeto e também ganhou uma mesa e cadeiras provenientes do acervo do casal. A luminária de parede já pertencia ao imóvel.

A cozinha exibe revestimentos originais do projeto e também ganhou uma mesa e cadeiras provenientes do acervo do casal. A luminária de parede já pertencia ao imóvel. (Victor Affaro)

Quando Philippe foi transferido para São Paulo, não hesitamos em trazer tudo para cá”, conta. O imóvel, de 230 metros quadrados, localizado no centro da capital, tem pouquíssimas intervenções: as paredes da área social e íntima receberam algumas demãos de tinta branca e o piso foi restaurado.

O arquivo antigo de biblioteca foi comprado em Nova York. “É uma lembrança perfeita para uma casa com tantos livros”, diz Laura.

O arquivo antigo de biblioteca foi comprado em Nova York. “É uma lembrança perfeita para uma casa com tantos livros”, diz Laura. (Victor Affaro)

A base, clara e luminosa, não aconteceu ao acaso. Foi feita para ressaltar o tom quente e as texturas dos itens de madeira. Alguns deles, como uma escrivaninha escolar da década de 1970, posicionada sob a janela do living, mostram também as imperfeições e os desgastes provocados pela ação do tempo. “Encontramos essa peça jogada na calçada. Adoro o tom verde do tampo e as marcas impressas nele”, explica.

Assinados por Jeffrey Bernett e Nicholas Dodziuk, os sofás (Design Within Reach) têm desenho contemporâneo. A mesa espelhada é da Micasa, e a luminária de ferro, da John Derian. Ao fundo, abajur da Loja Teo.

Assinados por Jeffrey Bernett e Nicholas Dodziuk, os sofás (Design Within Reach) têm desenho contemporâneo. A mesa espelhada é da Micasa, e a luminária de ferro, da John Derian. Ao fundo, abajur da Loja Teo. (Victor Affaro)

Junto à mesa de jantar, as cadeiras, de estilos diferentes, foram incorporadas aos poucos, conforme a dupla encontrava cada uma, e o pendente art déco também veio da temporada nos Estados Unidos. A esse arranjo, carregado de lembranças, a arquiteta somou elementos garimpados aqui, como a mesa de centro e o abajur do estar. “Tudo, claro, seguindo a mistura de épocas e estilos que amamos”, enfatiza.

No quarto do casal, sob a cadeira antiga, arandela da marca mexicana Candela Estudio. Quadro da artista espanhola Ines Esnal.

No quarto do casal, sob a cadeira antiga, arandela da marca mexicana Candela Estudio. Quadro da artista espanhola Ines Esnal. (Victor Affaro)

Há oito meses, a dupla se transformou em trio: a brasileirinha Theodora incorporou mais uma nacionalidade à família e doçura ao décor. No quartinho da bebê, o papel de parede, assinado pela mamãe arquiteta, ilustra justamente a trajetória e as memórias dos três.

 No quartinho de Theodora, o papel de parede foi feito em parceria por Laura e pela Once Upon a Toile. Marcenaria da Bicho Papão e tapete de Nani Chinellato.


No quartinho de Theodora, o papel de parede foi feito em parceria por Laura e pela Once Upon a Toile. Marcenaria da Bicho Papão e tapete de Nani Chinellato. (Victor Affaro)

banner2017

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s