Apê paulistano com mood escandinavo

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços Na sala, quadro de Amalia Giacomini (Galeria Lume), raposa de porcelana (NN Antiques), Loop Chair (Loja Teo) e luminária de piso da Dimlux.

Na sala, quadro de Amalia Giacomini (Galeria Lume), raposa de porcelana (NN Antiques), Loop Chair (Loja Teo) e luminária de piso da Dimlux. (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Em seus projetos, Diego Revollo sempre procura integrar os ambientes ao máximo. “Não é só para ganhar amplitude, mas também porque isso combina com um estilo de vida mais contemporâneo”, diz.

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços A marcenaria foi pensada de olho no ganho de espaço, como no caso da bancada da cozinha, montada pela Kitchens.

A marcenaria foi pensada de olho no ganho de espaço, como no caso da bancada da cozinha, montada pela Kitchens. (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Para o arquiteto, ambientes abertos estimulam a convivência e evitam os cantinhos esquecidos da casa. No entanto, em algumas situações, a integração total incomoda, pois o morador pode se sentir um tanto exposto – justamente o problema do publicitário Rafael Coca no loft em que vivia.

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços Cobogós separam a sala de estar da varanda. Sofá da Micasa, escultura de Raquel Saliba (Orbi Brasil) e mesinha da Firma Casa. Ao fundo, sobre a bancada, aparecem bandeja e cerâmicas da Dpot Objeto e tela de James Kudo (Zipper Galeria).

Cobogós separam a sala de estar da varanda. Sofá da Micasa, escultura de Raquel Saliba (Orbi Brasil) e mesinha da Firma Casa. Ao fundo, sobre a bancada, aparecem bandeja e cerâmicas da Dpot Objeto e tela de James Kudo (Zipper Galeria). (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

“Era tudo muito aberto”, lembra. Por isso, quando conversou com Diego sobre o projeto para seu novo apartamento, pediu uma suíte reservada. E assim foi feito: a privacidade do morador está garantida no quarto principal deste apê de 77 metros quadrados na Vila Olímpia, em São Paulo.

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços A sala de TV funciona como quarto de hóspedes.

A sala de TV funciona como quarto de hóspedes. (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Já o segundo quarto teve uma parede trocada por portas de correr e virou sala de TV. As esquadrias permanecem sempre abertas. Porém, quando há visitas, basta fechá-las para o lugar se transformar num bem-vindo espaço para os hóspedes dormirem.

Veja também
Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços Na suíte, o quadro maior é de Pedro Varela (Zipper Galeria). Roupa de cama da Auping (Collectania) e vaso do estúdio Alva Design (Dpot Objeto).

Na suíte, o quadro maior é de Pedro Varela (Zipper Galeria). Roupa de cama da Auping (Collectania) e vaso do estúdio Alva Design (Dpot Objeto). (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

A cozinha fica separada da sala por um balcão e delimitada pelas cores: a madeira preta contrasta com o cimento queimado branco da sala. O cimento queimado, aliás, não se limita ao piso: sobe pelas paredes e cobre até o teto.

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços Mesinha de Ionna Vautrin (Marché Art de Vie).

Mesinha de Ionna Vautrin (Marché Art de Vie). (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Para aproveitar melhor o espaço, a varanda foi fechada e revestida de madeira (tauari) alvejada, num mood escandinavo. Além desse detalhe, o ambiente chama a atenção pela presença de cobogós no limite com a sala – elementos que fazem uma separação sutil, sem barrar a luz.

Neste apartamento, a divisão entre os ambientes é sutil: diferentes cores, elementos vazados e portas de correr delimitam os espaços As tábuas de tauari alvejadas (Marcenaria Inovart) trouxeram um ar escandinavo à varanda fechada.

As tábuas de tauari alvejadas (Marcenaria Inovart) trouxeram um ar escandinavo à varanda fechada. (Alain Brugier e Gui Morelli/Revista CASA CLAUDIA)

Pensada para receber os amigos num clima despojado, a área conta ainda com uma bancada de chapa de ferro com cuba, que funciona como apoio para servir bebidinhas e afins. Em vez de varanda gourmet, virou uma varanda de drinques – olha aí uma ideia que pode pegar!

Veja também: Uma casa atemporal

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s