Casa com decoração elegante inspirada em vilas coloniais

Ambientes amplos e integrados são o destaque desta casa de 460 m², que exibe elementos da arquitetura brasileira colonial

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

Os donos desta casa em Curitiba convidaram o escritório Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura para realizar a reforma do local. Eles desejavam uma residência casual para o dia a dia, mas que seguisse influências coloniais presentes na arquitetura da construção também no projeto de decoração.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

O principal pedido dos moradores foi que casa mantivesse uma atmosfera acolhedora para as duas filhas crianças. Por isso, todos os ambientes ficaram bem amplos para que elas pudessem brincar e passar o tempo com a família reunida. A sala de estar foi planejada para favorecer o convívio familiar, com um ambiente multifuncional ideal para confraternizações e momentos em família.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

Aconchegante, a lareira foi centralizada em mármore num volume de marcenaria que comporta a TV e se abre somente quando necessário. Fechado, se transforma em um painel de couro. A disposição do cômodo agrega sofás, poltronas com pufes em estilo tradicional, e deixa em posição de destaque a poltrona Dora, assinada por Jader Almeida, em veludo verde.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

A paleta de cores remete à natureza e celebra os diferentes tons de verde do entorno. O móvel bar foi desenhado pelo arquiteto e a mesa rústica delimita o ambiente do estar com o hall social e a entrada do lavabo. Uma biblioteca ainda foi projetada como extensão da sala de estar, separadas por portas duplas em laca branca dupla. 

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

Seguindo o estilo casual, a marcenaria e a boiserie foi executada em laminado de imbuia, com móveis soltos antigos e cadeira vintage. Do acervo familiar também vieram a coleção de livros antigos e as fotos antigas, da família de imigrantes italianos. Em frente à biblioteca, o bosque nativo, serve de inspiração.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

Projetada para ser utilizada integrando a área da cozinha e a área da varanda, de acordo com a necessidade.  O cômodo foi equipado com uma mesa redonda para oito cadeiras com tecido comprado em Nova York em estilo tradicional e um papel de parede é geométrico. O buffet em imbuia e a base da mesa em travertino bruto, foram desenhados pelo arquiteto.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

Uma tela acrílica do artista Marcelo Pacionick completam a composição de espelhos, fotografia e gravura. O lustre da Arneli, em cristais de rocha e cúpulas, ilumina o ambiente. As cortinas em algodão possuem trama rústica e casual A escada em três patamares, foi revestida em madeira maciça com guarda corpo tradicional em ferro fundido. Destaque para a imensa janela fixa que inunda o ambiente de luz e recebeu persiana em palha de seda natural.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

A cozinha é o ambiente que reúne a família. Por isso, o arquiteto projetou também uma copa para as refeições mais rápidas, que mantém a família unida até nestes momentos mais corridos. Elas foram pintadas num tom verde outonal, criando uma atmosfera acolhedora. A marcenaria tradicional em laca recebeu tamponamento em silestone claro. A book case suspensa, em laca verde e a bancada de apoio com churrasqueira integrada, conferem casualidade ao projeto. 

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

A mesa da copa em madeira maciça recebeu cadeiras antigas, também herança da família, da casa dos avós, e foi restaurada com novo tecido. A porta janela que se abre para o jardim, sai para um pergolado coberto e que forma uma cascata verde, florida na primavera.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

A área íntima do quarto do casal foi projetada em três ambientes distintos que se conectam através de um hall de entrada, interligando closet, quarto e sala de banho principal. O cômodo mistura mobiliário tradicional e móveis antigos da família. O sofá que foi herdado dos avós maternos, foi revestido com linho azul e recebeu taxinhas metálicas.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

A poltrona clássica em amarelo canário, ilumina a ambientação e foi inspirada nas gravuras antigas de pássaros. O papel de parede valoriza o fundo do quarto e serve como pano de fundo para o restante da composição.Na sala de banho, a proposta é quebrar a rigidez e através da porta janela com varanda balcão e integrar com a área externa.

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

 (Alessandra Okazaki e Raphael Briest/Valliatti e Tomasi Patrão Arquitetura)

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s