O mínimo é o máximo neste apê

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apartamento prova que apostar no básico sempre dá certo

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apê prova que apostar no básico sempre dá certo O estar combina o sofá Aga, de Brunno Meireles, com tapete da Phenicia Concept, cadeira da Prototype, abajur da La Lampe e esculturas de madeira da Etel.

O estar combina o sofá Aga, de Brunno Meireles, com tapete da Phenicia Concept, cadeira da Prototype, abajur da La Lampe e esculturas de madeira da Etel. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Uma camada de cera e pronto: o piso estava no jeito. “A madeira de demolição tem uma textura bonita por si só. Não havia por que aplicar mais nada”, fala o arquiteto Brunno Meireles. O mesmo conceito o levou, juntamente com o sócio, André Pavan, a usar concreto aparente em outros pontos do projeto. “Gostamos desses materiais brutos e procuramos deixá-los com sua aparência natural. Temos uma levada mais minimalista.”

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apê prova que apostar no básico sempre dá certo Uma abertura entre a sala e a cozinha facilita o bate-papo com os amigos quando jantar é o programa. Vaso da L’Oeil.

Uma abertura entre a sala e a cozinha facilita o bate-papo com os amigos quando jantar é o programa. Vaso da L’Oeil. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Exatamente o que buscava o dono do apartamento em São Paulo. “Sou um cara muito básico no dia a dia, inclusive para me vestir”, diz o economista, que chamou os titulares do escritório Meireles + Pavan depois de conhecer a proposta feita por eles para o apê da irmã, no mesmo prédio.

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apê prova que apostar no básico sempre dá certo A mesa Aga, criação de Brunno Meireles, combina base de inox com tampo de mármore nero marchina. As cadeiras são o modelo La Central (Cremme), de Guilherme Wentz. O revestimento de concreto da parede é fabricado pela Tresuno, e o fícus colocado num cachepô da L’Oeil veio do Flo Atelier Botânico. Persianas da Italian Persianas.

A mesa Aga, criação de Brunno Meireles, combina base de inox com tampo de mármore nero marchina. As cadeiras são o modelo La Central (Cremme), de Guilherme Wentz. O revestimento de concreto da parede é fabricado pela Tresuno, e o fícus colocado num cachepô da L’Oeil veio do Flo Atelier Botânico. Persianas da Italian Persianas. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Mas não pense que a simplicidade dá pouco trabalho: para chegar a esse resultado, os arquitetos se preocuparam com inúmeros detalhes. Um deles foi pensar a paginação do piso em formato espinha de peixe, o que rendeu um grafismo superbacana.

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apê prova que apostar no básico sempre dá certo As tábuas de demolição (Madeira Velha) se estendem até o quarto. O criado-mudo (Etel) é do estúdio Alva Design. Luminária da La Lampe e enxoval da Trousseau.

As tábuas de demolição (Madeira Velha) se estendem até o quarto. O criado-mudo (Etel) é do estúdio Alva Design. Luminária da La Lampe e enxoval da Trousseau. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Outro, repetir a largura das ripas (7 cm) nos frisos do concreto e até nas persianas – estas, aliás, um toque bem original, já que o modelo, além de preto, é do tipo utilizado em escritórios. “Achamos que uma cortina não combinava com o estilo do projeto”, conta Brunno, que desenhou o sofá e a mesa de jantar especialmente para o apartamento (depois as peças entraram em linha e hoje estão à venda no site Boobam).

Com poucas peças, cores neutras e materiais que mostram sua beleza natural, este apê prova que apostar no básico sempre dá certo À esquerda e em cima, o arquiteto Rodrigo Ohtake assina o banco Meu Chapa, de freijó e aço-carbono. A obra na parede (Galeria Lume) é de Kilian Glasner. Embaixo, colunas de bronze de Florian Raiss e uma obra de metacrilato de Laurent Chehere (peças da Galeria Lume) decoram a entrada do apartamento. À direita e em cima, sobre a mesa de centro SAT, desenhada por João Kaarah, aparece uma escultura da Olho Interni. Embaixo, placas de porcelanato (Portinari) protegem a área molhada no banheiro da suíte. Cadeira da Prototype.

À esquerda e em cima, o arquiteto Rodrigo Ohtake assina o banco Meu Chapa, de freijó e aço-carbono. A obra na parede (Galeria Lume) é de Kilian Glasner. Embaixo, colunas de bronze de Florian Raiss e uma obra de metacrilato de Laurent Chehere (peças da Galeria Lume) decoram a entrada do apartamento. À direita e em cima, sobre a mesa de centro SAT, desenhada por João Kaarah, aparece uma escultura da Olho Interni. Embaixo, placas de porcelanato (Portinari) protegem a área molhada no banheiro da suíte. Cadeira da Prototype. (Renato Navarro/Revista CASA CLAUDIA)

Os móveis seguem o espírito clean da arquitetura, como queria o morador. “Prefiro as coisas simples”, diz ele. Simples e elegantes, como deixa claro o apê.

Veja também: Dicas para ter um Urban Jungle em casa

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s