Sítio na serra fluminense que é casa e restaurante

O movimento do slow food transformou a vida – e a casa – da escritora mineira Cissa Borges e do chef argentino Javy Larroquet

No sítio de Javy e Cissa, o tempo parece passar mais devagar.

No sítio de Javy e Cissa, o tempo parece passar mais devagar. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

A escritora mineira Cissa Borges e o chef argentino Javy Larroquet se conheceram – e se apaixonaram – em um sítio de produção orgânica na serra fluminense.

O violão, os livros e todos os itens da decoração estão ao alcance dos visitantes, convidados a usar o espaço sem cerimônia.

O violão, os livros e todos os itens da decoração estão ao alcance dos visitantes, convidados a usar o espaço sem cerimônia. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

Ela preparava um artigo sobre novas formas de cultivar e consumir alimentos saudáveis e soube que ele seria uma ótima fonte sobre o tema. O papo virou namoro, que se transformou em casamento e já dura três anos e meio.

A mesa de jantar de jatobá maciço foi o ponto de partida do restaurante e, por isso, deu nome ao lugar.

A mesa de jantar de jatobá maciço foi o ponto de partida do restaurante e, por isso, deu nome ao lugar. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

“Quando começamos a pensar se o melhor seria viver em Minas Gerais, no Rio de Janeiro ou na Argentina, decidimos fincar bandeira em Itaipava (RJ), onde aconteceu o primeiro encontro. No mesmo instante, resolvemos fazer da nossa casa um restaurante e oferecer experiências gastronômicas focadas no movimento slow food”, conta Cissa.

O clima é totalmente informal na área ocupada pelas mesas – repare na luminária, feita de uma garrafa de vinho.

O clima é totalmente informal na área ocupada pelas mesas – repare na luminária, feita de uma garrafa de vinho. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

À esquerda, o logo do La Mesa Gastro Lar foi desenhado por Cissa. À direita, os pratos servidos aqui, como este creme de abobrinha com crocantes de queijo brie, são feitos com produtos locais.

À esquerda, o logo do La Mesa Gastro Lar foi desenhado por Cissa. À direita, os pratos servidos aqui, como este creme de abobrinha com crocantes de queijo brie, são feitos com produtos locais. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

No La Mesa Gastro Lar, que ocupa o jardim, a sala e a cozinha da construção, o casal faz de tudo: administra, cozinha, serve, limpa e, claro, se diverte com os convidados.

Caetano, 1 ano, está sempre por perto, acompanhando os pais na cozinha.

Caetano, 1 ano, está sempre por perto, acompanhando os pais na cozinha. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

“O importante é que, uma vez aqui, eles consigam esquecer totalmente a cidade, assim como nós”, fala a mineira.

À esquerda, é no jardim que Javy arma a fogueira para cozinhar um menu na brasa. À direita, o fio de luzes cria um astral gostoso ao entardecer.

À esquerda, é no jardim que Javy arma a fogueira para cozinhar um menu na brasa. À direita, o fio de luzes cria um astral gostoso ao entardecer. (André Nazareth e Maria Hennies/Revista CASA CLAUDIA)

 

 (Divulgação/CASA CLAUDIA)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s